O crente, o grato e o temente

Salvador Dalí, Cristo de San Juan de la Cruz

(Salvador Dalí, Cristo de San Juan de la Cruz)

Existem três tipos de pessoas que acreditam em Deus: os que crêem em Deus Pai Todo Poderoso; os que mesmo tendo dúvidas de sua existência são gratos a Ele; e os que temem ao Senhor.

Quem crê, os do primeiro grupo, entrega aos desígnios divinos seu futuro. Colabora, claro, mas tem o lastro da fé para levar o barco adiante. É inegável o quão reconfortante que pode ser isso, ter um alguém etéreo ali do lado nos empurrando, zelando por nós, indicando o caminho, aquecendo o coração. Se tudo der errado, ainda podemos ser caridosos, corretos e bons e por isso contar com a vida eterna, relaxados em um lounge de nuvens macias que nem algodão egípcio, para todo o sempre.

Quem é grato não tem muita fé, para dizer a verdade. Geralmente, só recorre a Deus em momentos de precisão. Quando viaja de avião, por exemplo, não sei se pela proximidade com os céus, sempre lembra de Deus. Na hora de torcer por algo importante. Quando tem caso de doença na família. Faz inúmeras promessas mentais, depois providencialmente esquecidas e nunca cumpridas. Mas apesar de um tantinho interesseiro, sempre agradece o que conseguiu. A Deus ou ao destino ou à natureza ou simplesmente retribui de alguma forma a graça alcançada. Agradece. E não é a Ele a quem presta contas quando erra, mas à sua própria consciência.

Os tementes não baseiam sua ligação com Deus na fé ou na gratidão, mas na culpa. A religião vira uma barganha: se você fizer o que Ele manda, Deus vai te dar tudo, inclusive dinheiro; mas se você não fizer o que Ele manda e der tudo, inclusive dinheiro, Deus irá te punir. Este é o problema com o pentecostalismo e o neopentecostalismo, em minha opinião. Pregar que não basta crer em Deus ou ser grato a ele, é preciso temê-lo. E expiar a culpa toda vez que fizermos algo “errado” –”errado” sob a interpretação canhestra de pastores sobre as Escrituras, sob a ótica pouco generosa de homens que se dizem de Deus sobre o Livro Sagrado.

“Jesus disse que para entrar no céu tem que ser como as criancinhas”, pregam os pastores, como se não fosse possível viver a vida livremente, crendo ou não em Deus, e guardar dentro de si a pureza das crianças. Não fazer mal ao próximo é o suficiente para conservá-la. E os pastores, fazem bem ao próximo? Querem bem ao próximo? “Deus enxerga o ser humano por dentro. Deus fulmina quem o afronta. Ninguém afronta a Deus e sobrevive”. Pecado. Culpa. Medo. Não vejo fé nenhuma nessas palavras, muito menos compaixão.

Não é à toa que tantos ex-pecadores e ex-pecadoras, dilacerados pelo arrependimento, se convertem a estas igrejas. Não foi a fé que os guiou até a porta daquela casa de Deus, mas a culpa. Não foi a gratidão e nem mesmo o desespero. Um dia, esses ex-pecadores e ex-pecadoras virarão pastores e pastoras. E transmitirão seu temor e sua culpa aos fiéis, os farão acreditar que é preciso amordaçar os desejos, os prazeres e as alegrias para que Deus não os castigue. Se você se comportar direitinho, então terá merecimento a uma vida feliz e bem-sucedida. Se algo vai mal é porque está pecando, e lá vamos nós de volta à espiral de medo e culpa. Adorar a Deus? Se sobrar um tempinho…

Eu respeito muito quem crê em Deus e quem é grato a Ele, mas desconfio dos que temem a Deus. Quem não deve não teme, diz a sabedoria popular. Se teme, é porque deve alguma coisa. O que devem os que temem?

Publicado em 10 de outubro de 2013

Por Cynara Menezes Em Blog
@cynaramenezes

Publicação original: Socialista Morena

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s